Tudo Sobre Manipulação e Escândalos em Apostas Esportivas

Vinícius das Neves - Autor - Sites de apostas
por:
Vinícius das Neves
06/11/2023
Blog
sda_blog_article_manipulacao_e_escandalos_1170x680

Os casos de manipulação e escândalos em apostas esportivas têm repercutido nacionalmente nos últimos meses. Tudo isso despontou a partir de uma ação de investigação do Ministério Público de Goiás (MP-GO), que agora está à frente do caso e tem desmontado uma agência que procurava aliciar jogadores e fraudar plataformas de apostas.

Desde 2018, as casas de apostas esportivas têm participado e investido no Brasil. Até então, os sites de apostas não operavam no país por conta da insegurança jurídica, reservando-se apenas aos países onde já havia uma regulamentação em vigor. Com isso, as mudanças aprovadas pelo então presidente Michel Temer deram a garantia que as marcas investiriam no Brasil, desde que seguisse regulamentações internacionais.

Contudo, essas regulamentações garantem o trabalho em conjunto contra a lavagem de dinheiro e escândalos de fraude tendo o apoio de comissões de jogos especializados do país onde há a regulamentação. Portanto, as marcas não enviam alertas ou trabalham em parceria com organizações públicas pela falta de interesse do Estado.

Mas isso deve mudar nos próximos meses. Após os casos de manipulação em apostas esportivas, o Estado e os apostadores estão engajados na transparência já defendida pelas casas de apostas. Para entender melhor o que aconteceu e como ficarão os sites de apostas após as notícias recentes, preparamos este guia completo sobre o assunto!

Qual é o Escândalo que Envolve os Sites de Apostas?

A operação Penalidade Máxima, do Ministério Público de Goiás (MP-GO) investigou supostas manipulações em resultados de jogos do campeonato Brasileiro da série A (Brasileirão), do campeonato Brasileiro da série B, ambos na temporada 2022, e mais 4 campeonatos estaduais já em 2023.

Como mostrou a denúncia da operação, uma quadrilha operava em duas frentes, na qual focava em aliciar jogadores profissionais e ao mesmo tempo fraudar casas de apostas para lucrar em cima dos resultados manipulados. Na primeira etapa da operação, 8 jogadores foram citados, acusados e julgados.

A lista de jogadores envolvidos na manipulação de apostas esportivas inclui:

  • Eduardo Bauermann, do Santos;
  • Kevin Lomônaco, do Bragantino;
  • Moraes, do Aparecidense-GO;
  • Gabriel Tota, do Ypiranga-RS;
  • Paulo Miranda, sem clube;
  • Igor Cariús, do Sport;
  • Fernando Neto, do São Bernardo;
  • Matheus Gomes, sem clube.

Os jogadores envolvidos eram contratados pela quadrilha para receber cartões ou cometer certos eventos dentro da partida, como jogar a bola para fora do campo. Como recompensa, os jogadores recebiam transferências da quadrilha.

Em paralelo aos eventos determinados pela quadrilha, diferentes sites de apostas eram fraudados pelos criminosos. Na prática, os responsáveis apostaram pequenas quantias em contas laranjas em diferentes sites, fazendo apostas múltiplas para elevar ainda mais os ganhos.

O Que Aconteceu na Operação Penalidade Máxima?

A operação Penalidade Máxima, que denunciou atletas aliciados por uma quadrilha especializada em fraudar casas de apostas esportivas, foi concluída e apontou 8 jogadores envolvidos em escândalos. Hoje, a operação Penalidade Máxima II segue os desdobramentos da primeira operação.

Na primeira etapa da ação do MP-GO, apenas o atleta Igor Cariús, do Sport, foi absolvido pelo Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Os demais atletas foram punidos com multas, suspensões e até mesmo o banimento do esporte. Veja os resultados da operação abaixo:

  • Eduardo Bauermann, do Santos: suspensão em 12 jogos;
  • Kevin Lomônaco, do Bragantino: 380 dias de suspensão e multa de R$25 mil;
  • Moraes, do Aparecidense: 760 dias de suspensão e multa de R$55 mil;
  • Gabriel Tota, do Ypiranga-RS: banimento do esporte e multa de R$30 mil;
  • Paulo Miranda: 1000 dias de suspensão e multa de R$70 mil;
  • Fernando Neto, do São Bernardo: 380 dias de suspensão e multa de R$15 mil;
  • Matheus Gomes: banimento e multa de R$10 mil.

Nesta nova etapa de investigação, a operação Penalidade Máxima II investiga uma lista ainda maior de jogadores e agora se esforça em chegar aos mandantes dos crimes de manipulação. As ações em andamento envolvem ao menos 16 cidades em 6 estados brasileiros, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás e Pernambuco.

Inclusive, há uma suposta citação da máfia das apostas com jogadores brasileiros que atuam em outras ligas, como a liga de futebol americana Major League Soccer (MLS). Para entender melhor, veja mais informações a seguir!

Manipulação e Escândalos em Apostas Esportivas

A manipulação e escândalos em apostas esportivas não é um problema exclusivo do Brasil. Inclusive, as ações de investigação deflagradas pelo MP-GO têm avançado e hoje acredita-se que as ações tenham chegado ao campeonato americano, a Major League Soccer (MLS).

Acontece que a manipulação pode ser feita facilmente, desde que o jogador faça apostas na própria plataforma. Justamente por conta dessa simplicidade, as diretrizes das casas de apostas, as diretrizes de esportes e as regulamentações de jogos proíbem que atletas profissionais participem e façam apostas no próprio desempenho dentro de campo.

Além dele, os sites de apostas também proíbem que pessoas do círculo de amizades participem de atividades dentro do site. De modo geral, amigos e familiares têm um maior potencial de receber informações privilegiadas e com isso fraudar as marcas.

Para coibir esse tipo de ação, que traz danos ao esporte e à própria indústria de apostas, é necessário investir no trabalho conjunto dos interessados. Isto é, poder público, clubes de futebol, entidades supremas do esporte e casas de apostas esportivas.

Até o momento, as casas de apostas aparecem entre as partes mais interessadas na regulamentação e em aumentar o processo de transparência. Agora, resta aguardar que outras representações também engajem na luta contra os escândalos em apostas esportivas e nas ações de manipulação.

A Visão das Casas de Apostas Sobre o Escândalo de Manipulação de Jogos

As casas de apostas esportivas defendem uma regulamentação no Brasil desde a sua entrada no país, em 2018. Com os escândalos de manipulação de jogos, muitas marcas saíram em defesa da regulamentação. Inclusive, vale a pena destacar que a Medida Provisória 13.756/18, autorizada por Michel Temer à época, define 2022 como prazo-limite para que a regulamentação aconteça.

A International Betting Integrity Association (Associação Internacional de Integridade de Apostas em tradução livre ou IBIA, na sigla em inglês) disse que acompanha de perto os casos que riscam a honra das apostas no país. O órgão internacional reúne as principais marcas do mundo e monitora, assim como representa, as casas de apostas em casos de suspeição.

Diante os casos que aconteceram e envolveram os jogadores brasileiros, o presidente da IBIA, Khaled Ali, concedeu uma entrevista à revista Veja, onde defendeu penalizações duras aos atletas que aparecem nas investigações da Penalidade Máxima. Além disso, também reforça que as fraudes prejudicam o esporte e também as marcas.

Dados da associação global que reúne mais de 120 casas de apostas mostram que, dos mais de 137 bilhões de dólares movimentados ao ano, 25 milhões são perdidos por conta de esquemas de fraudes. Para reduzir a perda, é necessário implementar uma regulamentação que assegure transparência, penalizações e trabalho conjunto entre os interessados na preservação da aposta segura.

Justamente por isso, a visão das casas de apostas sobre o escândalo de manipulação de jogos é implementar a regulamentação das apostas no Brasil. Até o momento, sabe-se que as marcas estão engajadas e contam com o apoio da sociedade e também dos clubes de futebol.

Inclusive, poucos dias após as primeiras deflagrações da operação do MP-GO, o Instituto Brasileiro de Jogo Responsável (IBJR) lançou uma nota que defende a regulamentação no país. Assinam o posicionamento 9 casas de apostas, Betsson, Betway, Netbet, KTO, Rei do Pitaco, Bet365, Flutter, Entain e Yolo.

MP Diz que Sites de Apostas são Vítimas; Segmento Pede Regulamentação

O promotor Rodney da Silva, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), reafirmou que sites de apostas são vítimas das ações da máfia das apostas, quadrilha por trás dos escândalos mais recentes. À ocasião, o promotor fala que ações desse tipo trazem prejuízos e cita que a corrupção sempre esteve presente na humanidade.

As próprias casas de apostas esportivas trazem mecanismos e diretrizes para evitar a lavagem de dinheiro e também esquemas ilegais de apostas. Tanto que as apostas sob suspeição são identificadas automaticamente e negadas na sequência. Em casos mais graves, a própria marca leva o caso às comissões de jogos e entidades tuteladas pela investigação.

Essas ferramentas de combate funcionam. Contudo, a quadrilha especializada e responsável pelo esquema atuava com contas laranjas. Ou seja, não se tratava de um caso isolado, mas sim de diferentes usuários espalhados por várias plataformas de apostas. Isso dificulta e impede que a localização dessas apostas aconteça.

No fim, há um prejuízo que a própria casa de aposta paga. Mesmo com a sua taxa de lucro já aplicada ao mercado de apostas, a fraude mexe com todo o mercado. Inclusive, os apostadores podem utilizar ofertas dos sites para que os pagamentos fiquem ainda melhores. Deste modo, apenas a marca arca com os prejuízos causados.

Como solução, o segmento pede pela regulamentação. No Brasil, o mercado de apostas está em uma área jurídica cinza, isto é, as apostas online podem acontecer sem problema algum, desde que um país regularmente a plataforma em questão.

Com a regulamentação em vigor, o Brasil teria uma comissão própria para tratar da indústria de apostas, tendo obrigações e outros deveres aos envolvidos. Assim, sites, usuários e mais teriam regras mais claras do que pode ou não fazer.

Governo Vai Regular Sites de Apostas em Meio a Denúncia de Manipulação de Resultados

Em meio aos casos de manipulação e escândalos de apostas esportivas, o Governo decidiu avançar com a regulamentação das plataformas. As diretrizes devem aparecer nos próximos meses e há definições já elaboradas pelo Ministério da Fazenda, pasta que assume as diretrizes e futuras obrigações do setor.

Para funcionamento dos sites de apostas, toda marca interessada em investir no país pagará uma outorga de R$30 milhões e mais uma alíquota estimada em 15%. Esta última tributação incidirá na receita da marca após o pagamento dos prêmios aos usuários.

A arrecadação, estimada em mais de R$30 bilhões ao ano pela Receita, será destinada, em parte, para as ações de monitoramento, especialmente sistemas que auxiliem na detecção de apostas acima da média. Na prática, o Governo terá acesso aos números das casas de apostas e com isso poderá encontrar apostas que quebram a média de dinheiro aplicado por mercado.

Em entrevista ao portal De Primeira, o assessor especial do Ministério da Fazenda, José Francisco Manssur, explica como o Governo detectará apostas suspeitas nos próximos anos. Segundo ele, o dinheiro da arrecadação das casas de apostas será destinada a um sistema de monitoramento baseado em inteligência artificial.

Ainda em teoria, essa IA procurará apostas e caçará arremates suspeitos nas plataformas. Com isso, espera-se que o Governo monitore e avise antecipadamente as casas de apostas esportivas para que aconteça a suspeição de determinado mercado de apostas, quando houver necessidade.

Jogadores de Futebol, Casas de Apostas e Manipulação: Entenda o que Está na Mira da Investigação do Ministério Público

A operação Penalidade Máxima envolve jogadores de futebol, casas de apostas e manipulação de eventos de diferentes plataformas a fim de lucrar ao orquestrar acontecimentos nas partidas. Para entender melhor tudo o que está em jogo, vale a pena recordar de alguns eventos.

Todo o escândalo começou em novembro de 2022, quando o presidente do Vila Nova, Hugo Jorge Bravo, soube do aliciamento do atleta Romário, então volante do time de Goiás que disputava a série B. Na ocasião, o volante foi pago para causar um pênalti na última rodada do campeonato, quando o time enfrentou o Sport.

Com a suspeita, Bravo realizou uma investigação própria e descobriu um novo nome: Bruno Lopez é um ex-atleta e empresário, sendo responsável pela BC Sports Management. Segundo o MP-GO, Lopez está entre os nomes que lideram a máfia das apostas nas plataformas.

Uma vez que tenha feito a descoberta, o presidente do Vila Nova levou o caso ao MP-GO. A partir disso, o MP-GO iniciou a operação Penalidade Máxima em fevereiro de 2023. Atualmente, as investigações continuam e buscam desfazer a agência de aliciamento que até então lucrava com as fraudes.

Até o momento, o MP-GO tem avaliado sob a condição de investigados atletas da série A e B do Brasileirão, e empresários que atuaram ao lado de Bruno Lopez. Além disso, também está em curso a investigação de familiares e amigos que agiram como laranjas nos sites de apostas para que os atletas lucrarem com eventos orquestrados pela quadrilha.

Em paralelo a isso, os times e as casas de apostas são citadas como vítimas da quadrilha. Portanto, é importante destacar que não existe nenhum ganho por parte dos clubes, dirigentes e marcas com os escândalos apresentados desde fevereiro de 2023.

Haddad Ganha Fôlego para Taxação de Casas de Apostas Após Escândalo Envolvendo Jogadores

Depois dos escândalos nas apostas esportivas, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, voltou a defender a taxação juntamente com a regulamentação das plataformas. Antes, Haddad havia levantado a ideia da regulamentação de forma independente, o que causou estranheza por parte dos clubes e mais entidades que não foram consultadas antes da elaboração do texto regulamentador.

A partir dessa primeira resistência, o ministro deixou de tratar o assunto, ao menos até os primeiros escândalos surgirem. Agora, além de ter conversado com os times e representantes das marcas, Haddad tem encontrado apoio no Congresso e também em outros ministros, como Flavio Dino, ministro da Justiça e Segurança Pública.

Com a regulamentação, além do aumento da arrecadação e da geração de emprego, o monitoramento de apostas suspeitas passa a ficar mais fácil. Deste modo, aumenta a segurança aos clubes brasileiros, aos apostadores e também às casas de apostas esportivas.

Richard, do Cruzeiro, é Citado por Participar do Esquema de Apostas; Afirma Rádio

O meio campista Richard, atual jogador do Cruzeiro, foi supostamente citado no esquema de apostas. A informação da Rádio Itatiaia lembra que, à época da manipulação de resultado, o jogador atuava pelo Ceará e até agora não há nenhuma denúncia formal do MP-GO.

Como prova, a rádio traz um print onde os aliciadores conversam com Richard. Na conversa, o jogador aparece reafirmando o seu compromisso em cometer algum evento dentro do campo e, na sequência, recebendo uma transferência do aliciador.

Contudo, até o momento não há nenhum posicionamento oficial por parte do MP-GO. Portanto, não existe como concluir se o print que circula nas redes sociais e levantados pela rádio é verdadeiro ou não.

A Importância do Fact Checking Antes de Fazer Acusações

Até o momento, apenas 8 jogadores foram formalmente denunciados pelo MP-GO, que está à frente da operação Penalidade Máxima. Apesar disso, outros jogadores aparecem como citações pela quadrilha e podem estar em investigação nessa nova etapa da investigação.

Embora exista a possibilidade do número de atletas envolvidos em manipulação de apostas de futebol ser maior, é importante estar atento às notícias oficiais dos procuradores. Antes de apontar e afirmar que determinados jogadores estão envolvidos, lembre-se que as investigações ainda estão em andamento!

Olá, pessoal! Faço parte do grupo de autores aqui do site e já lido com o nicho de apostas esportivas desde a época de sua legalização, ainda em 2018. Tenho como esportes favoritos o futebol, o surfe e as artes marciais, mas também gosto de acompanhar torneios de vôlei, esportes no gelo e futebol americano. Uma boa parte dos conteúdos que você encontrará por aqui foram escritos por mim. Em minhas análises e guias, priorizo trazer informações imparciais e adotar uma linguagem de fácil entendimento – democratizando o universo das apostas online.O meu maior objetivo é trazer informações relevantes e ajudar a disseminar o conhecimento sobre as apostas esportivas em solo brasileiro. Afinal, em comparação com outros países, este mercado ainda é recente no Brasil. Escrever sobre o assunto, na verdade, vai além do profissional, já que sou apaixonado pelo ramo e levo muitos desses esportes como hobby em minha vida pessoal. 📧Viní[email protected]